Justiça mantém prisão do acusado de matar sargento da PM em 2017 - DoAmapá.com Justiça mantém prisão do acusado de matar sargento da PM em 2017 - DoAmapá.com

Justiça mantém prisão do acusado de matar sargento da PM em 2017



Sargento Hudson foi morto enquanto aguardava a esposa em frente ao Museu Sacaca. A arma dele foi levada pelos criminosos.

Da Redação

Por unanimidade, a Sessão única do Tribunal de Justiça do Amapá, (Tjap) negou o pedido de Habeas Corpus impetrado pela defesa de José Gabriel de Sousa Bonfim, acusado de matar o sargento da Policia Militar, Hudson Conrado. O crime aconteceu em outubro de 2017 e o acusado havia fugido para Paris, onde, posteriormente, foi capturado pela Interpol e seguirá preso.

De acordo com o processo, os advogados José Gabriel haviam solicitado a revogação da sua prisão preventiva por meio da concessão do remédio constitucional, Habeas Corpus. A justificativa da defesa era que havia excesso de prazo para conclusão da instrução e julgamento

O procurador do Ministério Público, Nicolau Crispino, e o relator do caso, o desembargador do Tjap Rommel Araújo, consideraram não haver excesso de prazo entendendo a inexistência de requisitos que permitem a concessão do Habeas Corpus ao acusado.

Desembargador Rommel Araújo, relator do processo. (Foto: Divulgação/Tjap)

 “A meu sentir a conveniência da instrução criminal e a garantia da aplicação da lei penal são razões que subsistem, motivo pelo qual denego a ordem de Habeas Corpus”, argumentou o desembargador Rommel Araújo.

Além da manutenção da prisão preventiva de José Gabriel, a corte do Tjap ainda recomendou que, após a sua extradição do acusado, com intuito de garantir-lhe a integridade física, ele seja transferido para o presídio de outro estado.

Entenda o caso

Policiais atendendo a ocorrência à época. (Foto: Arquivo Pessoal/Olho de Boto-SN)

O sargento Hudson aguardava pela esposa que participava de um evento, em frente ao Museu Sacaca, bairro do Trem, quando foi surpreendido por dois homens em uma moto, que dispararam oito tiros contra ele. Durante a empreitada criminosa, os criminosos ainda subtraíram a arma do policial, o que configurou o crime de latrocínio, roubo seguido do resultado morte.

Publicado em: 08/08/19


Compartilhe:

Deixe seu comentário